Arquivo da tag: destacado

O entroido galego

Rafaela Renata

Estudante de Letras Vernáculas e Francês na Universidade Federal da Bahia

INTRODUÇÃO:

A Galícia é uma comunidade autônoma da Espanha conhecida principalmente pelos aspectos únicos de sua cultura e por suas ricas tradições. Um desses aspectos é a celebração, ao longo do ano, das festas populares, que contribuem para manter as tradições de origem desse povo, ainda que alguns ritos e peculiaridades já tenham sido perdidos e outros estejam em processo de recuperação.

O Entroido (Carnaval) é uma dessas celebrações. É uma festa de caráter tradicional cujas raízes remontam a muitos séculos e demonstram a necessidade do povo de sair da rotina por alguns dias, trocando papéis, cantando, dançando, comendo e bebendo à vontade.

Essa festa é celebrada entre os meses de fevereiro e março, principalmente nas regiões de tradição católica, coincidindo com o período anterior à Quaresma. Desde que estejam disfarçados, todos podem participar e se divertir.

Celebrado com paixão nas vilas e aldeias galegas , o entroido possui ares particulares muito diferenciados entre as diversas localidades: são muito conhecidos aqueles de Xinzo de Limia, Laza, Verín, Viana do Bolo, Vila de Cruces, A Estrada, Vilabona e Vilaverde por exemplo, mas além destes existem muitos outros.

Atualmente, a importância do Entroido é tamanha, que sete deles exibem com orgulho a qualificação oficial de “Festa de Interesse Turístico” e de “Acontecimento turístico nacional” pelo Ministério de Turismo da Espanha. Pretende-se através deste trabalho, explicar de maneira breve como se celebra na Galícia ,esta tradição cultural tão importante. 

ORIGEM DA TRADIÇÃO:

Festivais relacionados à chegada da primavera e em honra à deidade responsável pela colheita, existiram entre vários povos desde a antiguidade. Foi através desses cultos aos deuses , agradecendo-os pela fertilidade do solo e pela produção, que na Grécia surgiu, entre os anos 600 e 520 a.C., o Carnaval.

Mais tarde, preocupados com as práticas perigosas dos pagãos durante as celebrações de primavera, a Igreja Católica decidiu pôr um fim no festival e em 590 d.C. o Papa Gregório I criou o Carnaval Cristão.

Por causa da Quaresma, o período de 40 dias no qual os Católicos devem jejuar em preparação para a Páscoa, o carnaval cristão teve que ser celebrado entre o sétimo domingo antes da Páscoa. E como esta última é uma festa móvel, a data do carnaval muda a cada ano, sendo comemorada no primeiro domingo depois do equinócio de primavera no hemisfério norte, então o carnaval cristão original era comemorado sempre entre 3 de fevereiro e 5 de Março.

O entroido é também conhecido como carnaval: em alguns países onde desapareceu por pressão eclesiástica ou policial, o entroido foi recuperado com o termo “carnaval”. A palavra entroido deriva do latim introitus, que significa “entrada” ou “começo”. Provavelmente isto se refere ao início da da primavera e do ressurgimento da vegetação. Também são consideradas “carnaval” as festas similares celebradas fora dos dias anteriores à Quaresma, como os carnavais de verão.

Existem várias teorias para a origem da palavra Carnaval: uma delas afirma que tal palavra vem do italiano carnevale, tendo como origem o latim vulgar carne-levare, que significava “abandonar a carne” (prescrição obrigatória para todo o povo durante todos as sextas-feiras da Quaresma). Outra afirma que a palavra italiana carnevale significaria que durante a época do carnaval a “carne vale”, ou seja, que se pode comer.Outra ainda propõe a expressão “carnis vallis” como origem do termo, significando “carne” e “prazeres” respectivamente. Também se propõe uma etimologia que provém da expressão latina carrus navalis, uma carroça decorada que posivelmente saía em desfile durante estas datas. Em algumas zonas da Espanha as denominações populares de carnestoltes ou carnestolendas, parecem indicar para alguns que esta é a opção etimológica mais sensata (do latim tolere, retirar).

O ENTROIDO NA GALÍCIA:

O entroido já era tradicional na Galícia desde o século XIII. Tolerado, ritualizado e institucionalizado pela igreja, acontecia em todo o território galego, principalmente nas localidades que hoje correspondem à província de Ourense. Na época, essa festa rural era celebrada por uma sociedade medieval majoritariamente camponesa, submetida às relações de vassalagem do feudalismo; e já tinha a mesma importância de outras festas do calendário litúrgico , cujas datas eram marcadas pela igreja para o pagamento anual de contratos aos mosteiros.

No século XIII, o entroido durava um dia (a terça-feira) e já no século XV, durava três: domingo, segunda e a terça-feira antes da quarta-feira de cinzas, primeiro dia da Quaresma.

Além de pão e vinho, os alimentos típicos dessa festa rural eram cabritos, galinhas, azeite, ovos, castanhas secas, nozes e peixes : todo o tipo de alimento que fosse abundante na estação.

Mais tarde, segundo a tradição, na quinta-feira dos compadres, as mulheres participavam dos festejos. Elas faziam seus compadres, usando para isso, uma camisa e uma calça velha cheia de palha ,além de um chapéu. O compadre vencedor da eleição como o mais bonito, era colocado num burro bem adornado e levado para ser queimado na presença de outros compadres e mulheres.  À noite, se lhes colocava fogo e os homens tentavam impedir a queima. O mesmo acontecia na quinta-feira seguinte, mas de maneira inversa. Dessa vez, eram os homens que faziam suas comadres, enquanto as mulheres faziam o impossível para evitar a sua queima. De domingo à terça-feira de carnaval o costume era colocar as máscaras e ir andando com os demais participantes ao povoado vizinho, fazendo brincadeiras e com muito bom humor ao longo do caminho.

Depois da guerra civil, por ser considerado como anarquia, o carnaval foi proibido na Espanha; mas apesar disso, a Galícia foi um dos poucos lugares que resistiram e continuaram a celebrá-lo.

Atualmente, o Entroido é celebrado na Galícia com características particulares e muito diferenciadas entre as diversas povoações. Muitos deles são reconhecidos nacional e internacionalmente e todos, de alguma forma, contribuíram para que não se perdessem as origens do que talvez seja o entroido mais antigo da Espanha.

DENOMINAÇÕES:

Conhecido mais comumente na Idade Média como entroydo, nos dias de hoje o entroido galego também é chamado de Entróido/ Entróïdo e Entroito/ Entróito (no Bierzo); Antruido (em Bergantiños), Introido entre outras denominações. Na zona norte (A Mariña) e oeste (Monforte de Lemos, Fonsagrada e Viana do Bolo) da Galícia e em quase toda a província de Lugo, se emprega a terminologia “Antroido”, como no antroido ribadense. No sul é mais frequente entroido que é a forma que o DRAG[1] propõe como normativa. A palavra aparece citada desde o século XIII.

LOCALIDADES ONDE A FESTA É CELEBRADA:

Mais de 175 municípios da Galícia declaram festivas a segunda ou terça-feira de Entroido ou ainda a quarta-feira de cinzas. É assim em Laza, em Ourense, Verín, Manzaneda e   Vilariño de Conso, em Lugo, em aldeias como Santiago de Arriba, Nogueira e  Fión, em Entrimo, na fronteira com Portugal,  bem como em Salcedo. O entroido é celebrado em todo o território galego.

DATAS DE CELEBRAÇÃO:

O entroido é uma festa móvel celebrada nos dias anteriores à Quaresma. Nas diferentes vilas da Galícia, sua duração varia, chegando em alguns casos a ter até quinze dias. A terça-feira de entroido pode acontecer em fevereiro ou nos primeiros dias de março, mas as celebrações relacionadas podem começar já em janeiro. É o que se chama de“ciclo do entroido”.

Em Xinzo de Limia, a festa  dura 5 semanas, sendo esta uma das mais longas do mundo. São cinco domingos de comemoração: Domingo Fareleiro, Domingo Oleiro (celebrações exclusivas desta vila), Domingo Corredoiro, Domingo, Segunda e Terça-feira de Entroido e Domingo de Pinhata.

Em Laza o ciclo “começa” junto com as badaladas no dia de ano novo (com primeiro folión[2] ) e a data referencial é a segunda de entroido. Em Vilariño de Conso o ciclo começa no dia de “Candelas” (2 de fevereiro).

Em Verín, o ciclo começa no dia de “Santo Antón” (17 de janeiro) e celebra-se o xoves de compadres, o xoves de comadres, sexta, sábado e terça-feira de carnaval. No domingo há desfiles e à meia-noite de terça-feira os lardeiros[3] são queimados. Na quarta-feira de cinzas, há o enterro da sardinha.

Em Vilaverde a celebração acontece nos dias de domingo, segunda e terça-feira, sendo os dias de segunda (à noite) e terça de carnaval (à tarde) os mais importantes desta celebração . Na noite de segunda-feira , os habitantes do povoado e das proximidades se reúnem no centro cultural ao som de uma banda de gaitas, enquanto as pessoas se disfarçam. À meia-noite da segunda-feira acontecem as entremeses , peças dramáticas e jocosas de um só ato, protagonizadas por personagens de classes populares , satirizando as classes mais altas. No dia seguinte, à tarde , os povos vizinhos (Vilaverde e Barcia), se unem, em um de desfile de carroças, acompanhado por muita música.

Apesar de não terem sido conservadas em todas as festividades, as datas fundamentais dos diversos entroidos, por ordem, são:

Domingo fareleiro

Domingo oleiro

Xoves de compadres

Domingo corredoiro

Xoves de comadres

Domingo de entroido

Luns de entroido

Terça-feira de entroido

Mércores de cinza

Domingo de pinhata

 MÚSICAS:

As músicas entoadas nos entroidos são tocadas pelos gaiteiros, pelas charangas[4], e por todos os que estiverem animados à cantar. São também populares os refraneiros tais como o seguinte :

“ O entroido ao tizón, a pascua ao Sol.

Pascua con quen quixeres, entroidos coas túas mulleres.

A pascua onde quixeres, o antroido onde as mulleres.

O entroido coas túas mulleres, a pascua con quen quixeres.

Día de antroido ou de pascua, cada papón na súa casa.

O entroido coas súas artes, botou a san Matías fóra do martes.

Martes de entroido, cando has de vir? Casquiñas de ovos, case habedes de ruxir.

Entroido larafuzán, comíchesme a carne e deixáchesme o pan.

Non todos os martes son días de entroido.

Todos os días non son martes de entroido.

Se podas no martes de carnaval, desátase a viña e non dá uvas.

O día de entroido debes quentar o forno, cocer o pan e botar as cinzas na terra para ter bos nabos.

No día de entroido non comades verzas porque senón non saen os mosquitos enriba de ti.

Antroido árdelle o coiro, árdelle ben ata o ano que vén”

 PRATOS TÍPICOS:

O entroido galego é sempre regado à muita comida e bebida. É assim que se repõem as energias durante a festa. Os pratos principais incluem: carne de porco, batatas, greos, garavanzo, chourizos e lacóns. São exemplos disso, a tradicional cachucha (feita com a cabeça do porco) e o cocido. As androllas (especialmente em Viana do Bolo) e o “caldo” também não faltam na maioria dos folgares. Na comarca do Bierzo (provincia de Léon), por exemplo,  faz parte da tradição comer nesse período, o último botelo[5] da matanza, um ritual de sacrificio de porcos para a conservação da carne obtida .

Após o “banquete”, são servidas  bicas, filloas e orellas: sobremesas especiais que são os pratos mais típicos da festa . E para terminar, os participantes ainda aproveitam o licor café e o xastreu . Comer e beber até fartar-se é , assim um dos “mandamentos” do entroido .  

AS MÁSCARAS GALEGAS:

Como dissemos anteriormente, para participar dos festejos, basta estar disfarçado. Os trajes e máscaras são preparados com muita antecedência e zelo. Dependendo das zonas e comarcas, as  máscaras galegas apresentam traços diferentes. Podem-se distinguir dois grandes grupos:

As máscaras de Ourense[6] são habitualmente coloridas e feitas de madeira. Elas cobrem o rosto, e tem como missão assustar aos participantes da festa e/ou fazê-los correr. Ainda que às vezes ajam em grupo, em geral esses mascarados agem individualmente. São exemplos : os cigarróns de Verín, os peliqueiros de Laza, piliqueiros de Castro de Laza; os felos de Maceda, os boteiros de Vilariño de Conso, de O Bolo, de Manzaneda e de Viana do Bolo, os irrios de Castro Caldelas, as charrúas de Allariz, as pantallas de Xinzo, os vergalleiros de Sarreaus, os murrieiros de Teixeira, os troteiros de Bande, os vellarróns de Riós, os zarramanculleiros de Cualedro e os chocallóns de Vilardevós.

As máscaras da zona atlântica[7], são também trajes coloridos, mas que frequentemente deixam o rosto descoberto. Os mascarados agem coletivamente, embora o trabalho de elaboração do traje seja individual. É o caso dos xenerais de Deza e de Ulla, as damas e galáns de Cangas e Vilaboa e as madamitas e madamitos do entroido de Cotobade.

assss
Xenerais da Ulla

Existem ainda outros figurinos, tais como os Mecos bonitos e mecos feos de Froxás das Vinhas; os Volantes da Ribeira do Minho ; o Oso de Salcedo, em Salcedo ; e o merdeiro em Vigo. Se estiverem sem disfarce, os participantes correm o risco de sofrer alguns castigos, tais como ter que pagar uma rodada de vinhos, ser “alvo” de lançamentos de farinha de cascas de cereais (farelo) ou ainda , de terra com formigas vivas.  

INTERESSE TURÍSTICO:

Conforme mencionado anteriormente, existem na Galícia sete entroidos que tem reconhecimento de interesse turístico. Dois são reconhecidos como “Festas de Interesse Turístico Nacional”: o entroido de Xinzo de Limia (com as pantallas) e o entroido de Verín (com os cigarróns). Cinco deles tem o reconhecimento de “Festas da Galicia de Interesse Turístico”: o carnaval de Cobres (com as damas e os galáns), o entroido de Laza (com seus peliqueiros), o entroido de Viana do Bolo (com os boteiros ),  o folión tradicional do entroido de Manzaneda (com as máscaras) e os xenerais de Ulla.

Xinzo, Verín e Laza, essas três localidades próximas, são muito importantes para o turismo na época do carnaval. Em Xinzo, no domingo fareleiro, há uma batalha de farinha. No domingo corredoiro, as pantallas saem às ruas para perseguir os vizinhos. O domingo de entroido é um dos dias principais da festa, que se acaba com o domingo de pinhata, já em plena Quaresma. É na terça-feira de entroido que Xinzo acolhe a multidão de turistas atraídos por suas carroças. As pantallas, nunca sobem nas carroças; sua principal função é perseguir à todos que não estejam disfarçados. Caso a pessoa sem disfarce seja uma mulher, dançam ao redor dela; caso seja um homem, este é levado até o bar mais próximo para que pague uma rodada de vinho.

Em Verín, são os cigarróns que merecem destaque: debaixo de seus trajes de aproximadamente 25 kilos, eles batem com a fusta (uma espécie de bastão) naqueles que saem da missa, no domingo corredoiro. É uma função que se passa de pai para filho, de geração em geração. Ali ,os principais dias de festa são: o xoves de compadres, o domingo corredoiro, a xoves de comadres, o venres de compadreo, o domingo de entroido , o luns fareleiro e o martes de entroido .

Em Laza, o entroido começa no venres de folión, quando uma comparsa noturna corre nas ruas fazendo muito barulho para afugentar os espíritos malignos. No domingo de entroido entram em cena os peliqueiros. Depois é servida a deliciosa bica. O principal dia de festa em Laza é o luns de entroido : é a segunda-feira quando se celebra a Farrapada, a Xitanada e a Baixada da Morena.

A Farrapada , uma espécie de “batalha” em que se usam trapos manchados de barro, acontece pela manhã e antecede a chegada da Morena , um personagem vestido com uma manta e uma cabeça postiça de vaca, em madeira. Ele simula atacar as mulheres enquanto sua comitiva joga farinha ou terra com formigas no público.

O entroido de Cobres conta com referências escritas desde o século XVIII. As damas e os galáns correm as ruas ao ritmo das charangas. Todos trajam vestimentas especiais e as damas, usam chapéus que chegam a pesar até 7 kg. Ali, o galo é protagonista dos jogos: há a “corrida do galo”, o “galo no rio” e o “galo na vara”. Antigamente galos vivos eram usados nas brincadeiras, mas eles substituídos por sacos de terra , por exemplo. Em cada um desses jogos há muita diversão e prêmios para os vencedores.

Graças à sua localização no alto da montanha, Manzaneda manteve as tradições do entroido quase intocadas. As representações teatrais ali realizadas são dignas de destaque. Os Xenerais da Ulla, por sua vez, ridicularizam as guerras vividas na comarca desde a primeira metade do século XIX. No lombo de seus cavalos, eles galopam por Teo, Boqueixón, Padrón, Vedra, A Estrada, Silleda, Vila de Cruces, Touro e Santiago de Compostela. Ao longo do caminho eles celebram a festa, mas se encontram um “inimigo” uma “batalha” se inicia.

Em Viana do Bolo, um dos entroidos mais antigos, a duração da festa é de três dias, de domingo à terça-feira. Pelas manhãs o desfile de mecos faz o povo sair correndo pelas ruas. À tarde carroças de mecos bonitos e feos, entretém o público. O oso  “ataca” a todos a quem encontra, enquanto seu “amo” o domina com uma corda. Outra tradição bastante antiga é a de “parir a pita”. É principalmente no “domingo gordo” que os participantes , com seus tambores e ferramentas, espantam os maus espíritos. Todos os anos , essas celebrações atraem cada vez mais pessoas, interessadas na riqueza cultural e gastronômica da festa.

O ENTERRO DA SARDINHA: 

Para despedir-se do carnaval, os galegos realizam o “enterro da sardinha”: mulheres e homens vestidos de mulheres choram a morte da sardinha.

Há duas versões para a origem dessa comemoração :segundo a primeira , o costume de enterrar a sardinha nasceu em Madri, durante as festas que antecediam a Quaresma , há três séculos . Enterrava-se um porco num canal que se costumava chamar cerdin; o nome teria causado uma confusão linguística que foi se espalhando juntamente com a tradição. A segunda versão conta que o rei Carlos III ordenou trazer sardinhas para a celebração do final do entroido. Como os dias estavam muito quentes, as sardinhas estragaram e tiveram que ser enterradas para espantar o mau-cheiro. Atualmente, é com o enterro dessa sardinha simbólica, feita de papelão (e/ou com a queima de grandes sardinhas feitas de papel) que se marca o fim do carnaval e o início da Quaresma.

CONCLUSÃO:

Ao longo deste trabalho pudemos perceber que os entroidos galegos compartilham muitos pontos em comum, mas também muitas diferenças. Percebemos que apesar de sua proibição, o povo galego não deixou essa tradição acabar e com isso contribuiu em muito para a manutenção deste símbolo cultural.

Através dos tempos, essa tradição chegou até outras localidades (principalmente através das grandes massas de galegos imigrantes) , influenciando costumes de outros povos , como é o caso de alguns carnavais tradicionais celebrados nos dias de hoje, no mundo inteiro.

Essa festa, com milhares de anos de tradição, não se resignou à morrer e está ressurgindo com toda a potência e entusiasmo de uma gente jovem ; baseada na profundidade e na beleza de uma tradição que todos os galegos tem como herança de seus antepassados .

BIBLIOGRAFIA:

BALADO FRAN. Guía rápida del entroido em Galicia. La voz de Galicia.es . 2014 Disponível em: http://www.lavozdegalicia.es/noticia/galicia/2014/02/26/guia-rapida-entroido-galicia/00031393444223648812684.htm  acessado em 19 abr 2014 às 10:24.

BUENO, Eva Paulino. O enterro da Sardinha : O carnaval na Espanha . Revista espaço acadêmico n.70. 2007. Disponível em :http://www.espacoacademico.com.br/070/70bueno.htm acessado em 19 abr 2014 às 10:13

DE CAMARGO, PATRÍCIA. Enterro da Sardinha ?!!!- Carnaval em Las Palmas. Turomaquia. 2009. Disponível em: http://turomaquia.com/enterro-da-sardinha-carnaval-em-las-palmas/ acessado em 24 abr 2014 às 13:21

Orixen do enterro da xardiña . Blog da Biblioteca do CPI Cova Terreña. 2010. Disponível em : http://bibliocontame.blogspot.com.br/2010/02/orixen-do-entero-da-xardina.html acessado em 24 abr 2014 às 13:30

PERUCHELA. El Carnaval em Galicia. Aldeas Galegas. Disponível em : http://aldeasgallegas.com/ocarnaval.html          acessado em 19 abr 2014 às 10:40

ROLÁN, NIEVES AMADO. O Entroido Galego Na Idade Media. Referencias documentais . 2013. Disponível em : file:///C:/Users/Administrador/Downloads/youblisher.com-809557-O_Entroido_galego_na_Idade_Media_Referencias_documentais_Nieves_Amado_Rol_n.pdf  acessado em 24/04/2014 às 17:20

XIS, XULIO. El carnaval em Galicia – “La magia suprema del carnaval” . Turismo Galicia . Disponível em : http://entroido.galiciadigital.com/es acessado em 19 abr 2014 às 10:29

XUNTA DE GALICIA. Carnaval en Galicia. 2014. Disponível em : http://www.turgalicia.es/docs/mdaw/mtu0/~edisp/turga154816.pdf?langId=es_ES acessado em 24 abr. 2014 às 17:43.

XUNTA DE GALICIA. O Entroido en Galicia . Galicia o bo camiño. 2013 Disponível em : http://www.turgalicia.es/o-entroido-en-galicia acessado em 19 abr 2014 às 10:58.

[1] Dicionario da Real Academia Galega.

[2] Comparsas (espécie de fanfarras) de 30 à 40 pessoas de todas as idades que tocam seus tambores e instrumentos agrícolas nas ruas, com o intuito de afastar os maus espíritos.

[3] Bonecos cheios de palha e fogos de artifício vestidos de homem (compadre) ou mulher (comadre).

[4] Grupo de músicos com instrumentos de sopro e percussão.

[5]     Chouriço feito de carne de porco e condimentos. É feito com a tripa ou o estômago do animal.

[6] Essas máscaras pertencem aos entroidos de vilas que vão desde Maceda e Allariz , estendendo-se pelo sul da província e chegando, pelo leste , à Ribeira Sacra.

[7] Essas outras pertencem aos entroidos realizados numa zona não contínua que vai desde Cangas e Vilaboa ao sul até as comarcas do Deza e da Ulla.

Pintores e pintoras galegos

Renata Flávia de Souza

Aluna de Introdução à Cultura Galega na Universidade do Estado do Rio de Janeiro

  1. Introdução: uma breve contextualização da história da arte em Galícia

É possível identificar, desde os tempos primórdios, a relação humana com a arte em seus mais distintos objetivos como a comunicação, a imitação da natureza e a expressão de sentimentos. Realizada por meio de diferentes linguagens (arquitetura,desenho, dança, escultura, pintura,escrita e variadas derivações), a arte seria o processo criativo capaz de transformar a subjetividade em algo visível, palpável e pertencente ao plano físico.

A Galícia é um país marcado pela presença de diversos povos e consequentemente diversas culturas. Ali é possível encontrar vestígios artísticos desde a era paleolítica, como as pinturas rupestres encontradas na gruta de Eirós, na aldeia de Cancelo, datadas pelos investigadores em aproximadamente 30.000 anos. “Estas pinturas están xeralmente ligadas a ritos relixiosos e representan a plasmación nunha linguaxe simbólica do pensamento dos primeiros seres humanos” (EL PAÍS, 2012), ou seja, a arte como representação do cotidiano.

Na Idade Média, no período em que o atual território galego foi conquistado pelos romanos, observou-se uma fase bastante produtiva para o desenvolvimento artístico dessa região. As igrejas construídas eram ricas dos mais diversos detalhes arquitetônicos, colunas primorosamente esculpidas, pinturas e muitos tipos de decoração que remetiam ao caráter religioso. Em Galícia, até os dias atuais, se conservam os restos das pinturas realizadas naquele período.

Durante a Idade Moderna, a Galícia passou por um período chamado “Séculos Escuros”, no qual ocorreu uma forte imposição da cultura espanhola sobre a cultura galega. Dessa maneira, pouca coisa era produzida, gerando uma grande estagnação nos processos de desenvolvimento da arte galega, assim, “a falta de escolas e de tradición pictórica provocaron que as pinturas deste período sexan escasas e de non moita calidade”.

Com o advindo do Romantismo, no século XIX, uma série de reivindicações realizadas na Península Ibérica, reavivou o espírito regional e a identidade subjetiva dessas regiões (VILAVEDRA, 1999). Na Galícia, o choque entre o castelhano e a língua galega, converteu-se na valorização de se ter um idioma próprio. Assim, através dessa revitalização cultural, a etapa chamada de “Ressurgimento” foi marcada por diversos movimentos artísticos e culturais.

Nesse caminho, foram ocorrendo avanços no que diz respeito a arte e cultura galega, como a formação da primeira geração de pintores galegos, a “Xeración Doente”. Foi a partir da chegada de diversos artistas empenhados em transmitir seus conhecimentos nos centros de artes de Galícia que se formaram os primeiros artistas galegos, como Ovidio Murguía, Ramón Parada Justel, JoaquínVaamonde e Jenaro Carrero. “Esta xeración, non obstante, ollou con estupor como a pintura ficaba prácticamente ausente na súa terra. Cunha perspectiva un tanto utópica estes artistas reivindicaron a arte da pintura e procuraronunrecoñecemento público” (LORENZO, 2011) e para isso, retratavam a essência do seu país.

Atualmente, é possível verificar o número crescente de mostras de pinturas galegas, quadros que são expostos inclusive em outros países, e pintores que são aclamados com prêmios por suas obras. Isso mostra que a arte encontrou espaço nessa região e se desenvolve de modo a construir novos caminhos para a história da região da Galícia.

  1. Pintores galegos antigos

2.1. Ovidio Murguía de Castro

Nascido em 1871, em Torres de Lestrove, Dodro – A Coruña, OvidioMurguía, como era mais conhecido, era filho dos escritores Manuel Martínez Murguía e Rosalía de Castro, o que pode explicar seu caminho para a arte. Quando ainda era muito jovem, viveu a perda da sua mãe e anos depois começou a pintar.

Sua formação artística começa em Santiago de Compostela, na Real Sociedade Económica de Amigos do País de Santiago, onde era orientado pelo professor pintor José MaríaFenollera, seguindo a linha do realismo naturalista. De maneira rápida, o pintor começou a fazer exposições das suas obras que tinham muito a ver com a cultura galega e foi uma renovação do paisagismo, “su pintura de gran pulso vital, plasmando enella una emoción que fusiona el naturalismo conlaespiritualidaddel romanticismo” (TRIANARTS, 2014).

sin-titulo
Fig. 1: Ovidio Murguía, Tarde de invierno en el Sarela, ca. 1894

Em 1895, o pintor se mudou para Madrid e lá esteve em contato com outros artistas, utilizou a serra madrilena como paisagem para suas obras e embora não quisesse seguir os estudos formais de arte na Academia de Belas de San Fernando, Ovidio realizou diversas copias de obras dos professores do Museu do Prado como exercício de pintura.

Graças aos contatos que seu pai fazia, o pintor recebeu diversas encomendas de quadros, inclusive de pessoas que faziam parte da elite da época, como o presidente do Senado, Alonso MonteroRíos. Ovidio ficou encargado de, com oseu conjunto de obras mais conhecido, decorar parte dos muros do Pazo de Lourizán.Assim, “con temas costumbristas muy marcados por la tradición realista naturalista, decora con murales distintos palacios” (TRIANARTS, s/d).

11

Fig. 2: Ovidio Murguía, Asando Patatas o Borralleiras (1895)

Entretanto, logo o pintor se cansou desse tipo de trabalho e decidiu que simplesmente deixaria de trabalhar para viver uma vida bohemia, sem nada que o prendesse, sem obrigações. Porém, esse estilo de vida custou caro para a sua já precária saúde. O pintor realizou algumas exposições, porém, viu sua saúde ser destruída pela tuberculose, que se agravou no verão de 1897, obrigando-o a voltar para sua casa na Coruña.

Ovidio permaneceu em Galícia sobre os cuidados de sua família, mas no dia 1 de Jnaeiro de 1990, com apenas 29 anos, não resistiu e faleceu. Suas obras estão hoje em diversos museu galegos e em março de 2014, a fundação Rosália de Castro apresentou uma pintura inédita do pintor galego. “El cuadro no catalogado, Árbore e montaña, la pieza quizá de mayor tamaño pintada por Ovidio Murguía, será restaurada en el Museo de Bellas Artes de A Coruña con la colaboración de la Consellería de Cultura” (LA VOZ DE SANTIAGO, 2014).

  • Joaquín Vaamonde Cornide

Nascido em 1872, na Coruña, Vaamonde começou a pintar ainda quando era uma criança, com o pintor Modesto Brocos. Ainda pequeno, o pintor viajou para a América do Sul com seus pais e só retornou a Galícia quando jovem, aos 22 anos, porém, já dotado de um estilo próprio para a pintura. Nesse tempo, Vaamondeconheceua escritora Emilia Pardo Bazán, “quien se convirtió en su protectora y le introdujo en los ambientes de la alta burguesía coruñesa y en la corte madrileña” (MUSEO DEL PRADO, s/d).

sxx

Fig. 3: Retrato de Emilia Pardo Bazán (1896)

Vaamonde agradou tanto a Emilia P. Bazán que se tornou protagonista de umas das suas obras, La Quimera (1905), na qual foi retratado como um jovem pintor talentoso destacava a burguesia em suas obras, esperando chegar a ser como os professores que observava no Museu do Prado. O pintor se especializou na técnica de pintura com o papel e em retratos, recendo em 1895, uma menção honrosa na Exposição Nacional de Belas Artes.

xxxxx
Fig. 4: Retrato de Isidro Brocos (1894)

Sua vida foi interrompida aos 32 anos de idade, no ano de 1900, quando o pintor faleceu por tuberculose. Suas obras estão expostas no Museo de Belas Artes da Coruña.

  1. Pintoras galegas atuais

3.1. Carlota Bueno Hermida

Pintora nascida na Coruña e que expôs suas obras pela primeira vez em uma mostra coletiva, no Conselho de Pontedeume, em 2001. A partir daí, participa de muitas outras exposições e concursos, recebendo em maio de 2011, no concurso de pintura rápida “Cidade Velha”, na Coruña, seu primeiro prêmio. Meses depois, no concurso de pintura rápida “Juan Jose Fernández-Leiceaga”, do Conselho de Noia, ela fica entre uma das finalistas.

ssssw

Fig. 5: Muiño de Xubia (s/d)

 

3.2. Josefina Carro

Nascida em 2 de março de 1942, em Barallobre (Fene), a pintora retrata em suas obras muito das paisagens que estavam ao seu redor, durante a sua infância, assim é possível ver refletidas em suas aquarelas, bosques, frutos e elementos da natureza. Foi também durante a infância que ela tomou gosto pela pintura. Através do pintor Jesús Balado, Josefina aprendeu os procedimentos da pintura com pastel.

Além desse ramo da arte, Josefina apreciava também a literatura, gostava de visitar exposições e museus e dessa maneira, conheceu os impressionistas e começou a aprender mais desse estilo, chegando a copiar obras de Degás, Manet, Renoir. Aprendeu os procedimentos e segredos da aquarela com o professor José Gonzalez Collado, dedicando-se com mais afinco a esse tipo de pintura, mas sem abandonar o desenho e as pinturas a óleo.

sss
Fig. 6: Tulipanes (s/d)

Joaquina foi acometida por uma doença, causando uma interrupção nas suas aulas, porém, retornou com ainda mais ânimo para a pintura, com uma paleta mais vida, aproveitando os contrastes de luz, troca no uso das cores. A pintora se apresentou em várias exposições, como em 2011 na Casa de lasPalmeras de Neda. 

  1. Conclusão

Estudando sobre a história da arte na Galícia é claro perceber o quanto essa região ainda está em processo de desenvolvimento, de formação de uma história com marcos próprios, porém, também é possível destacar o número crescente de praticantes da arte, de pessoas que se dedicam a retratar o que veem e o que sentem, claro, sofrendo influências do seu cotidiano, do espaço em que vivem.

Assim, no presente trabalho, foram destacadas as contribuições de alguns pintores que fizeram parte da base histórica para os estudos da Artes na Galícia, e os novos pintores, evidenciados aqui, principalmente, as mulheres pintoras, a fim de disseminar a arte ao passo que também se crie um espaço para a atuação feminina em assuntos majoritariamente marcados pelos homens.

  1. Referências

GALIPEDIA, A WIKIPEDIA EN GALEGO. Arte de Galicia, 2016. Disponível em: <https://gl.wikipedia.org/w/index.php?title=Arte_de_Galicia&oldid=4031442&gt;.

VILAVEDRA, Dolores. Historia da literatura galega. Compostela: Galaxia, 1999.

GALERÍA JOSÉ LORENZO. A xeración doente: do pasamento prematuro ao inmediato mito, 2011. Disponível em: <http://galeriajoselorenzo.blogspot.com.br/2011/06/xeracion-doente-do-pasamento-prematuro.html&gt;.

GALIPEDIA, a Wikipedia en galego. OvidioMurguía. Disponível em: <en https://gl.wikipedia.org/w/index.php?title=Ovidio_Murgu%C3%ADa&oldid=4056728>.

TRIANARTS. OvidioMurguía de Castro: Naturalista y romântico, 2014. Disponível em: <http://trianarts.com/ovidio-murguia-de-castro-naturalista-y-romantico/#sthash.zy0T9fsY.HHQDvjeH.dpbs>.

LA VOZ DE SANTIAGO. La Casa de Rosalía adquiere una obra desconocida de Ovidio Murguía, A Coruña, 2014. Disponível em: <http://www.lavozdegalicia.es/noticia/santiago/2014/03/23/casa-rosalia-adquiere-obra-desconocida-ovidio-murguia/0003_201403S23C109913.htm>.

MUSEO DEL PRADO. VaamondeCornide, Joaquín. Disponível em: <https://www.museodelprado.es/aprende/enciclopedia/voz/vaamonde-cornide-joaquin/322c9335-e3ce-46f4-86fd-455d4a4d806b>.

A construção do galego legítimo. Identidades e ideologias.

Denis Vicente

Professor-leitor de galego na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2014-2015)

*Este artigo foi publicado no livro das Anais do XII Fórum de Estudos Linguísticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2015).

RESUMO

Em abril de 1983 a Xunta de Galicia oficializa por Decreto as normas modelo para o uso do galego. Até esse momento, por causa da perda de soberania da Galícia ao longo da sua história e a impossibilidade de criar instituições próprias em que o galego fosse língua oficial das administrações e da escola, a língua utilizada foi o castelhano. A criação da norma de uso público da língua teve lugar em meio de muitas polêmicas, que atendem fundamentalmente a critérios ideológicos e identitários, a que papel deve ter o galego na sociedade e no marco internacional, e como deve ser a focagem da proposta glotopolítica de ‘normalização linguística’, de recuperação de espaços e usos para a língua na sociedade, após séculos de marginalização. Procuramos, assim, analisar este processo no seu marco histórico, e também as repercussões que teve para o galego no espaço do português, e nas políticas linguísticas aplicadas na Galícia. 

Introdução histórica

A primeira revolução linguística na Europa teve lugar entre os séculos XV e XVI. Neste contexto nasce uma nova burguesia com necessidades de comunicação através do comércio, o início da imprensa precisará da simplificação tipográfica e uniformização ortográfica e o começo da colonização dos territórios além da Europa requer também da modelos de língua escritos para a ‘alfabetização’ dos novos membros do império. É neste momento quando se elaboram, pois, as línguas padrão a partir da gramaticalização dos vernáculos europeus. Já entre os séculos XVI e XVIII a maior parte das línguas europeias têm um equipamento metalinguístico (ortografia, gramática, dicionários), textos de referência, corpus, instituições que as usem e também instrumentos de difusão e controle linguístico como a escola ou as academias da língua (Baggioni 2004).

A língua da Galícia, o galego, continuou o seu desenvolvimento normal em Portugal, adquirindo o nome de português com a construção do estado nacional, e tornando-se língua de Estado e de império. No entanto, na Galícia ficará relegada ao uso oral entre a população, mas completamente marginalizada do poder institucional e dos usos formais na igreja, administração ou na corte do Rei. No imaginário comum dos galegos e galegas, a sua língua não era mais que um dialeto ruim do espanhol, a verdadeira língua do poder, da escrita, da poesia, dos reis e da nobreça. Aqui começa o processo de diglossia na sociedade galega que chega, em forma de conflito linguístico, até hoje: o reparto de funções para cada uma das duas línguas, o galego como língua B para os usos familiares e informais; e o castelhano para os usos formais, escritos, e para a comunicação com os estamentos privilegiados da sociedade.

A partir do século XVIII começa numa parte da elite intelectual galega a reflexão e a preocupação pela situação da língua. Alguma das luzes da Europa da ilustração chega também à Galícia, e figuras como Frei Martín Sarmiento ou o Padre Feijóo reclamam o seu uso na escola ou na igreja. Interessante para o tema que nos ocupa é a reflexão que eles têm sobre a identidade galego-portuguesa. Para Feijóo, no seu Teatro Crítico Universal, ambas continuam sendo a mesma língua:

Disse por compreender todos os dialetos da Latina, porque ainda que estes vulgarmente se reputam ser não mais que três, o Espanhol, o Italiano e o Francês, o P. Kircher, autor desapaixonado, suma o Lusitano: em que, advirto, se deve incluir a Língua Galega, como em realidade indistinta da Portuguesa, por ser pouquíssimas as vozes em que discrepam, e a pronúncia das letras em tudo semelhante: e assim se entendem perfeitamente os indivíduos de ambas as Nações, sem nenhuma instrução precedente[1]. (FEIJÓO, 1726-1739)

Para Martín Sarmiento, a questão suscitará mais dúvidas, embora chegue a afirmar que “a língua portuguesa pura não é outra que a extensão da galega” ou compare a evolução para o sul do galego com o acontecido com o catalão em Valência.

Ao longo dos séculos XIX e XX a norma empregada maioritariamente no âmbito literário galego teve como base a ortografia do espanhol, que será a que, com a construção do galego legítimo a finais dos anos 70 e começos dos 80, se torne a norma ortográfica oficial da língua. Porém, a construção discursiva do galeguismo histórico, ainda empregando uma normativa diferente à do português (embora intelectuais como Eduardo Pondal, Johán Vicente Viqueira ou posteriormente Ernesto Guerra da Cal e Ricardo Carvalho Calero fizessem uma escolha de base etimologista ou reintegracionista), continuou sendo de aposta pelo valor internacional da língua, pelo aproveitamento de elementos do padrão do português na construção da norma culta e pelo intercâmbio cultural com o resto de países de fala portugalega. Não é este o espaço para analisarmos todas as mostras deste discurso, mas podemos destacar afirmações de pessoas célebres da cultura galega como Vicente Risco, “Agora, o galego e o português são duas formas dialetais do mesmo idioma” ou Antón Villar Ponte, “A nossa língua, que tem em todas as partes núcleos vivos, é uma espécie de soberba ponte com um pilar na América e outro na Europa” (Peres 2014). A ruptura com este discurso que apelava à unidade linguística galego-portuguesa e, pois, à função internacional do galego, só acontece com a construção do galego legítimo na democracia, que passamos a ver a continuação.

A construção discursiva do galeguismo histórico, ainda empregando uma normativa diferente à do português, continuou sendo de aposta pelo valor internacional da língua, pelo aproveitamento de elementos do padrão do português na construção da norma culta e pelo intercâmbio cultural com o resto de países de fala portugalega.

O galego legítimo

Para Bourdieu (1996) toda situação linguística se pode analisar em termos de mercado, em que o produtor (falante) coloca os seus produtos no mercado para obter um benefício determinado, simbólico (reconhecimento, prestígio) ou material (acesso a um emprego, publicações…). A escolha do falante é condicionada pelo seu habitus, pela sua formação social, pela sua disposição com determinados tipos de uso linguístico em função dos valores que essa pessoa tem internalizados socialmente. O habitus está condicionado pelas ideologias linguísticas, entendidas como o conjunto de crenças sobre as línguas compartilhadas socialmente. As ideologias que têm mais sucesso apresentam de jeito mais simples a sua visão do mundo como “natural”, “essencial”, “universal”, “ahistórica”, “de sentido comum”. Para que aconteçam estes processos de naturalização ou essencialização as ideologias precisam do filtro da linguagem, devem significar-se, transforma-se num discurso culturalmente aceitado na vida social (Thompson 1993).

Numa sociedade monolíngue o valor de mercado tem a ver com o conhecimento e uso da norma culta, quem não tem acesso a esse conhecimento pode ficar fora do mercado, funcionando, assim, como um elemento de exclusão de classe (habitualmente quem não consegue aceder ao conhecimento da norma culta é porque não tem recursos). Numa sociedade em que há duas línguas como a galega, historicamente a exclusão dava-se pelo não conhecimento do espanhol, língua legítima com um elevado valor no mercado. Na atualidade, com a oficialização do galego, os valores atribuídos no mercado linguístico são mais complexos e temos uma dupla possibilidade de exclusão: o espanhol legítimo frente ao galego legítimo, e o galego legítimo frente ao galego não legitimado. Assim, seguindo a Bourdieu, entendemos por língua legítima a língua que se torna oficial, padronizada na ortografia, normatizada nas gramáticas, ou dicionários, que são incorporados à competência legítima por meio da inculcação escolar.

O processo de elaboração do galego legítimo está estreitamente vinculado ao contexto histórico. No ano 1978 aprova-se a Constituição espanhola e, com ela, a criação da monarquia parlamentaria e o estado das autonomias após quarenta anos de ditadura franquista. A Galícia aprova seu Estatuto no ano 1981 que, nas suas páginas, estabelece, por primeira vez, após a tentativa do Estatuto de Autonomia galego da II República (1936), a oficialidade da língua galega. A transição política da ditadura à democracia, ao revés do que aconteceu em Portugal com a Revolução dos Cravos, partiu de um acordo político entre o franquismo e as forças da clandestinidade, denominado de ‘pacto da transição’, que possibilitou a aprovação a Lei de Amnistia (1977) e, assim, a não possibilidade de julgamento por crimes contra a humanidade dos dirigentes franquistas e, mesmo, a sua incorporação à vida política da democracia como se a sua participação ativa num regime ditatorial não tivesse acontecido.

Em qualquer caso, o galego incorpora-se nestes anos à vida pública, faz parte da administração, da justiça ou da escola. Para estes novos espaços, em que o galego não estava presente há séculos, se precisa de uma norma padrão, um registro escrito unificado para a língua ser ensinada nas escolas e usada pelo governo. Assim, duas vão ser as propostas para a construção do galego legítimo: as conhecidas como autonomista ou isolacionista e a reintegracionista ou lusista.

O problema da padronização mostra-se como um debate de identidades e de oportunidades em que cabem duas perguntas: é melhor para a sociedade da Galícia conformar uma língua legítima autônoma, independente, ou é melhor um galego como variedade linguística do grupo portugalego, fazendo parte de um espaço internacional de mais de 250 milhões de falantes?

A norma ortográfica de uma língua não responde simplesmente à escolha de qual grafema se deve usar para representar determinado fonema. Neste processo entram em jogo outros elementos como a indexicalidade ideológica da própria ortografia (Herrero 2013) como marca de identidade coletiva, assim o debate ortográfico mostra-se como um debate de ideologias e identidades. No caso da Galícia este debate é especialmente interessante por causa da situação do país como ponte entre dois universos com línguas com um elevado valor no mercado, o da hispanofonia e o da lusofonia. As galegas e galegos graças ao conhecimento do galego e do castelhano podemos comunicar-nos, desde o berço, com mais de 700 milhões de falantes dentro da sua diversidade.

O problema da padronização mostra-se assim como um debate de identidades e de oportunidades em que cabem duas perguntas: é melhor para a sociedade da Galícia conformar uma língua legítima autônoma, independente, ou é melhor um galego como   variedade linguística do grupo portugalego[2] (Bagno 2012), fazendo parte de um espaço internacional de mais de 250 milhões de falantes?

Além da importância que esta eleição tem na construção da identidade galega no contexto de criação do autogoverno galego dentro do novo marco estabelecido, esta escolha tem repercussões no processo glotopolítico de recuperação de espaços sociais e públicos para a língua, na sua adquisição de prestígio após ser língua B na Galícia desde o remate do período medieval.

A naturalização ideológica do galego como língua útil internacionalmente criaria um referente externo para as galegas e galegos fora da Espanha, e este elemento, com a construção do estado das autonomias e a transferência limitada de competências aos diferentes territórios não é uma proposta ideologicamente aceitável para o novo regime.

Nos anos 80 uma parte importante das elites franquistas ainda estavam situadas nas principais esferas do poder da democracia. A ideologia do franquismo, fortemente centralista e contrária à diversidade de línguas na Espanha, também não mudou de um dia para o outro. A legitimação no ano 1982 da proposta autonomista encaixa perfeitamente no novo marco estabelecido para as línguas no contexto espanhol. A naturalização ideológica do galego como língua útil internacionalmente poderia levar também progressivamente à naturalização da Galícia como nação, à valorização das suas potencialidades (Herrero 2013) e, aliás, criaria um referente externo para as galegas e galegos fora da Espanha, e este elemento, com a construção do estado das autonomias e a transferência limitada de competências aos diferentes territórios não é uma proposta ideologicamente aceitável para o novo regime. Tal e como podemos comprovar na política linguística implementada pelo governo espanhol nestes primeiros anos de democracia, o castelhano torna-se a única língua que todos os espanhóis têm o dever de conhecer, estabelecido no artigo 3.1. da Constituição do Estado (para o resto de línguas somente se tem o direito de as conhecer, nunca a obrigação). O espanhol oficializa-se em toda a Espanha, o galego, o catalão ou o euskera, só nos seus respectivos territórios, e o castelhano será também a única língua que todas as pessoas têm a obriga de estudar no sistema escolar em todo o território do Estado. Desta maneira, a opção de que o espanhol continue sendo a única língua internacional, extensa e útil, da Espanha, frente ao resto de línguas limitadas ao âmbito autonômico, encaixa nos interesses da construção do novo modelo de Estado após a ditadura de Franco.

As propostas autonomistas e reintegracionistas

Segundo Lagares (2013), com base em Woolard (2008), podemos identificar dois tipos de ideologias linguísticas presentes nas propostas de padronização para o galego: a ideologia da autenticidade, que estabelece a língua como essência, como memória, como identidade nacional da comunidade; e a ideologia do anonimato, que não relaciona a língua com os falantes concretos, mas com uma abstração, a língua como elemento que não pertence a ninguém, como elemento universal sem raiz territorial. A primeira das ideologias é a empregada habitualmente para a legitimação das línguas minorizadas, e serve, assim, como base das duas propostas.

Para as e os partidários da construção do galego autônomo, o galego, como língua própria da Galícia, deve construir-se baseando-se em dois elementos: em primeiro lugar na fala popular, para isso os novos pesquisadores do Instituto da Lingua Galega (1971), dependente da Universidade de Santiago de Compostela, fizeram uma importante pesquisa dialetológica entre os anos 1974 e 1977; em segundo lugar, considerara-se a tradição literária maioritária entre os séculos XIX e XX, que toma como base a ortografia do castelhano. O galego legítimo recolheria, deste jeito, a essência do povo, e se converteria na língua necessária para a construção nacional da Galícia.

Para as e os partidários da construção do galego reintegracionista ou lusista esta ideologia da autenticidade também está presente. Podemos diferenciar duas propostas neste espaço. A primeira procura reintegrar o galego na sua ortografia histórica e comum com o português, mas mantendo uma solução própria para determinados elementos do galego. Por exemplo, frente ao –ción do autonomismo, proporão a terminação –çom, recuperando o ç e o -m final da grafia etimológica. Nesta proposta a construção normativa do galego também tem um papel central para a identidade nacional do povo galego. No entanto, também se mostra a ideologia do anonimato na segunda das propostas lusistas, consistente na aceitação do padrão internacional do português de Portugal como padrão para a língua falada na Galícia. Neste caso, idealiza-se um modelo de língua padrão universal do espaço portugalego, sem vinculação específica com o território concreto em que esta língua se fale, sem atender, pois, às diferentes variedades da língua. Esta ideologia da língua comum concebe a língua como elemento de união entre povos.

No ano 1983 o governo galego decide aprovar por Decreto uma norma de uso oficial para a língua, decide legitimar uma das propostas ortográficas, que desde esse momento será a norma ensinada nas escolas nas aulas em galego, e única que vai receber ajudas institucionais. Quem não empregar essa língua legítima ficará excluído do sistema de ajudas, empregos públicos e prestígio resultante da recentemente criada Xunta da Galícia.

A proposta de norma escrita será encargada pelo governo da Galícia à Real Academia Galega e ao Instituto da Língua Galega, espaços onde era maioritário o sector autonomista, frente a amplos sectores do nacionalismo galego, onde, em diferentes graus, a proposta reintegracionista tinha mais apoios. A consequência é evidente, a norma do galego isolacionista torna-se língua legítima na Galícia desde o ano 1983.

A politica linguística e a situação atual do galego

Na maioria das vezes em que questões relacionadas à língua portuguesa entram no debate público na Galícia vinculam-se ao debate sobre a norma escrita da língua. Talvez, do nosso ponto de vista, seja mais interessante para a promoção de usos do galego na sociedade aproveitarmos outras oportunidades que o grupo portugalego nos pode oferecer em propostas de carácter glotopolítico.

A política linguística desenvolvida na Galícia nos últimos trinta anos não tem contribuído suficientemente à reversão do processo de substituição linguística, pois esta se caracterizou pela sua verticalidade (Subiela 2002), realizada desde o governo sem ter em conta os sectores mais ativos na sociedade civil na promoção do galego, e de baixa intensidade (Lorenzo 2005), sem uma planificação linguística elaborada e com medidas pouco eficazes para a consecução dos objetivos marcados na Lei de Normalização Linguística.

Este facto não deve chamar a nossa atenção, pois o presidente do governo da Galícia entre o ano 1990 e o ano 2005 foi Manuel Fraga Iribarne, ex ministro da ditadura de Franco desde o ano 1962. No seu cargo no franquismo chegaria a multar com 50.000 pesetas ao subdiretor do jornal La Voz de Galicia, Francisco Pillado Rivadulla, por publicar um artigo de Augusto Assia titulado “Sobre el idioma gallego” (1968) onde se criticava a política repressiva contra o idioma; proibiu a difusão do Sempre en Galiza, obra fundamental do nacionalismo galego, de Castelao; ou mandou preso seis meses e fez pagar uma importante multa a Alberto Míguez, responsável da censura do regime, por permitir a publicação de El pensamiento político de Castelao na editorial Ruedo Ibérico. Conhecendo estes antecedentes é óbvio que o novo presidente da Galícia não vai ter interesse em divulgar o galego ativamente. Claro que o contexto é outro e na democracia já não se pode matar diretamente, somente deixar morrer.

Sem dúvida a falta de iniciativas adequadas na promoção do galego para combater os preconceitos históricos e a repressão acontecida durante o franquismo, é uma das causas que justificam a situação atual do idioma, com o descenso importante no número de falantes. Segundo os dados publicados pelo Instituto Galego de Estatística em dezembro de 2014, correspondentes ao ano 2013, só um 25,1% das pessoas de entre 5 e 14 anos falam galego habitualmente. Se compararmos com os dados das pessoas de mais de 65, com um índice de uso da língua do 73,8%, podemos ver como, em duas gerações, a porcentagem de uso desceu em quase um 50%.

Para aumentar a motivação, na sociedade capitalista atual em que todo é quantificável, é importante o valor que as línguas têm no mercado. Para o galego aumentar o seu prestígio e o seu valor no mercado pode ter no espaço de variedades do portugalego uma oportunidade.

Para os falantes fazerem uma troca de língua na sua vida, devem cumprir-se três condições (Haugen 1966): terem espaço de uso novos para incorporar a língua; terem competência comunicativa para poder falá-la e terem a motivação suficiente para fazer a troca. O terceiro é o motivo fundamental. Para aumentar a motivação, na sociedade capitalista atual em que todo é quantificável, é importante o valor que as línguas têm no mercado. Para o galego aumentar o seu prestígio e o seu valor no mercado pode ter no espaço de variedades do portugalego uma oportunidade.

É importante não abandonar um discurso ecolinguista, que valorize a diversidade de línguas independentemente do seu número de falantes e o seu valor econômico, ou o próprio valor que a língua tem para a coesão social da comunidade. No entanto, a realidade da sociedade ocidental atual é evidente, ninguém estuda inglês por ser uma língua bonita esteticamente, e sim por ser uma língua que abre portas para encontrar um melhor emprego e melhorar as condições de vida.

Nesta perspetiva o espaço diverso do portugalego abre-se como uma oportunidade para criarmos novos referentes, superar a visão do galego como língua unicamente do interior na Galícia, e que a população galega consiga enxergar que, com pequenas variantes, a sua língua é também falada por Cristiano Ronaldo, Caetano Veloso, ou Fernanda Montenegro, conseguindo aumentar assim o seu prestígio. Nos últimos messes, falando com dois galegos emigrantes no Rio de Janeiro, eles afirmavam como conseguiram empregos de importância em duas importantes empresas internacionais no Brasil por causa de saber galego, pois era requerido o conhecimento do português para se candidatar a esse posto laboral. Eles demonstraram esse conhecimento através do galego. Se colocarmos o galego na sua perspectiva internacional, fugindo da associação do português ao debate normativo, talvez consigamos aumentar essa motivação que as pessoas precisam para incorporá-lo na sua vida diária.

O espaço diverso do portugalego abre-se como uma oportunidade para criarmos novos referentes, superar a visão do galego como língua unicamente do interior na Galícia, e que a população galega consiga enxergar que, com pequenas variantes, a sua língua é também falada por Cristiano Ronaldo, Caetano Veloso, ou Fernanda Montenegro.

Considerações finais

Para aproveitar as potencialidades do galego no âmbito internacional é fundamental que o governo da Galícia acredite também nestas possibilidades. No ano 2014 o parlamento galego aprovou, por unanimidade, a Lei Paz Andrade, que procura divulgar a diversidade do portugalego na Galícia. Em primeiro lugar através do ensino (até 2014 apenas 861 estudantes recebiam aulas de português como língua estrangeira), de uma maior presença cultural da literatura, teatro ou cinema (até hoje é quase impossível conseguir uma obra literária feita em português de Portugal, português brasileiro ou em variedades africanas da língua sem ser em tradução ao espanhol; e também não existem cinemas onde se possa assistir filmes nas variedades internacionais da língua) e através da mídia e dos canais de televisão de Portugal que ainda não se podem ver no país. Mesmo a internacionalização afeta ao mercado econômico, pois também se procura com esta lei uma maior facilidade para que empresas galegas exportem noutros países como Portugal, Brasil, Angola ou Moçambique, graças à facilidade na comunicação.

Parece que os primeiros passos já se estão dando, pois no último ano o número de estudantes de português na Galícia aumentou mais de um 50%. Aliás, nas últimas semanas, o atual presidente do governo galego, Núñez Feijóo, declarou que vai encetar o processo para a Galícia fazer parte da Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Além do necessário apoio do governo, é também importante a colaboração desde os setores mais ativos da sociedade, independentemente da tendência normativa em que cada pessoa acreditar. Desde as principais instituições culturais deve-se contribuir à superação da identificação entre língua e norma, ou língua e ortografia que deixa fora das ajudas a setores muito ativos na promoção do galego que empregam outra norma diferente da de uso oficial (Lagares 2013). Neste sentido, é interessante uma das conclusões do VI Congresso de Escritoras-es da Asociación de Escritores en Lingua Galega (a maior associação de escritores/as da Galícia), realizado no mês de setembro de 2015, onde se estabelece o seguinte: “Reclamamos a necessária tolerância ortográfica, sem discriminação da lusografia e com maior democracia na convocatória de prémios”.

Deve-se contribuir à superação da identificação entre língua e norma, ou língua e ortografia que deixa fora das ajudas a setores muito ativos na promoção do galego que empregam outra norma diferente da de uso oficial.

O medo à divulgação da diversidade das culturas dos países de fala portugalega deve mudar para um maior aproveitamento do intercâmbio cultural com este espaço do que, por história mas sobretudo pelas oportunidades de futuro, devemos estar presentes. Desde os setores reintegracionistas, como parece que já se tem mostrado nos últimos anos, se está encaminhando o discurso para a proposta do espaço internacional da língua como uma vantagem cultural e econômica, superando o debate estritamente normativo. O nascimento da Editorial Através, que divulga livros nas diferentes normativas internacionais da língua, ou a elaboração de campanhas públicas que visibilizam as possibilidades que nascem da nossa presença neste espaço internacional devem ser muito bem-vindas.

REFERÊNCIAS

BAGGIONI, Daniel. Linguas e nacións na Europa. Santiago de Compostela: Edicións Laiovento, 2004.

BAGNO, Marcos. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: EDUSP, 1996.

HAUGEN, Einar. Language Conflict and Language Planning: The case of modern Norwegian. Cambridge: Harvard University Press, 1966.

HERRERO, Mário. Guera de grafias. Conflito de elites. Santiago de Compostela: Através Editora, 2011.

LAGARES, Xoán. “O galego e os limites imprecisos do espaço lusófono”. In: DA MOITA LOPES, Luiz P.. O português no século XXI. São Paulo: Parábola, 2013, p.339-360.

LORENZO, Anxo. “Planificación lingüística de baixa intensidade: o caso galego”. In Cadernos de Lingua. A Coruña: Real Academia Galega, n.27, 2005, p.39-59.

PERES, Tiago. Breve história do reintegracionismo. Santiago de Compostela: Através Editora, 2014.

SUBIELA, Xabier. “Política linguïstica en Galicia”. In VV.AA. A normalización lingüística a debate. Vigo: Xerais, p.83-130.

THOMPSON, John B. Ideología y cultura moderna. México: Universidad Autónoma Metropolitana, 1993.

[1]   Todas as citas serão traduzidas ao português brasileiro.

[2]   Embora Marcos Bagno defina o grupo portugalego como composto por diferentes línguas, por causa do debate sobre a norma culta no Brasil; para o caso galego, devido à situação de desprestígio da língua, talvez seja mais interessante o uso do termo variedade para cada um dos códigos falados dentro do grupo portugalego.