Morfemas antepostos na formação de topônimos galegos

David Rodríguez e Maílson Lopes

Professor-leitor  de Galego (2013-2014) na Universidade Federal da Bahia / Professor no Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia

[Artigo en revisão]

 

Anúncios

Uma opinião sobre “Morfemas antepostos na formação de topônimos galegos”

  1. Parabéns pelo trabalho. No entanto, acho que há algumas interpretações toponímicas erradas que vêm a distorcer as percentagens finais, bem como as conclusões decorrentes delas.
    Na série toponímica “Rebordaos / Rebordechá / Rebordechán / Rebordela…” não há nenhum prefixo re- envolvido, pois são todos derivados e/ou compostos baseados no latim ROBUR ‘carvalho’.
    Quanto a “trás”, também não aparece nos topónimos “Trastemil / Trastoi / Trastulfe / Trasufre / Trasulfe…”, pois todos eles são de procedência antroponímica (antropónimos como “Trasulfus” etc. aparecem na documentação medieval e a sua produtividade toponímica está bem estudada, é só fazer uma pesquisa nos córpora documentais disponíveis). Já agora, também não é segura a presença do tal prefixo em topónimos como “Trasancos” e o seu derivado “Trasanquelos”, de origem pré-romana:http://arqueotoponimia.blogspot.pt/2015/08/trasancos.html
    Cumprimentos e parabéns por este blogue.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s