Os rios da Galícia nos mitos e poemas

Arthur Roballo

Aluno de Introdução à Cultura Galega e Língua Galega na UERJ

A Galícia já foi dita “a terra dos mil rios”, e se não é tanto, a grande quantidade de rios e afluentes existentes explica o porque dessa alcunha. Os rios da Galícia costumam ser caudalosos, e fluem ou em direção ao Oceano Atlântico ou ao Mar Cantábrico, evidenciando sua presença em grande parte da Galícia. Os rios atlânticos são maiores e apresentam maior rendimento, já os cantábricos são menores e torrenciais. O aproveitamento dos rios vai desde pesca ao uso industrial através de barragens e moinhos para a produção de eletricidade e abastecimento de água. Os rios galegos tem grande importância na fauna e flora locais, e têm um enorme valor patrimonial do ponto de vista social e ambiental. Os rios se apresentam expressivos nas paisagens, moldam a costa oceânica da Galícia e, para além do âmbito geográfico, estão conectados com as riquezas patrimonial e cultural galegas. Estão amplamente relacionados aos comportamentos do dia a dia, às vidas das populações próximas aos rios e das populações ribeirinhas, à cultura, com os mitos e fantasias, e aos poemas e poesias.

Portanto, assim como o mar é de grande importância na tradição cultural galega, o mesmo acontece com os rios, tendo diversos mitos, contos, poemas, narrativas etc. produzidos relacionados a esta temática. O propósito deste trabalho é portanto apresentar algumas dessas produções culturais (mitos, poemas) relacionados a alguns dos rios da Galícia onde será possível perceber o envolvimento cultural com a hidrografia local e com a natureza.

O maior e principal rio da Galícia, o Rio Miño, atravessando quase de Leste a Oeste o território da Galícia, é certamente uma grande fonte de inspiração dos poetas. O trecho a seguir fala de como teria se dado o nascimento do rio na Galícia:

BIOGRAFIA DO MIÑO

O deus Minius, nas orixes do tempo,

percurou, con teimuda paixón,

o lugar máis fermoso do universo:

non atopou nada que puidera

compararse, nin de lonxe, con Galiza.

Despois de contemplala longamente

namorouse dela para sempre.

Con desexo total de posuila

físoxe poderosísimo lóstrego

e caeu sobor da terra, feríndoa

co seu divino lume.

A terra

recibiuno,humilde e conmovida,

abriulle os brazos, o corazón,

todo o seu ser ….

E fundíronse

nunha aperta perfecta, indisolúbel.

O léstrego volveuse auga cantora,

materia de orballos e de bágoas.

A terra ofrendoulle ao apasionado río

o seu corpo xentil e feminino.

E o río deulle á terra xenerosa

a súa forza de deus omnipotente…

Manuel María

O mesmo poeta, de forma frenquentemente exaltadora do Rio Miño fala também dos outros rios em relação ao Grande Rio:

FALAN OS RÍOS

Nós, tan humildes, somos ríos pequenos

que bicamos a terra con amor

Ríos sen gloria que lle damos ao río Miño

o noso amor sinxelo: luz e auga.

Damos todo boamente como dá

o paxaro ao vento a súa canción.

Somos só un nome.

Somentes somos grandes ríos

cando nos ten enteiramente o Miño.

Somos a sombra dunha sombra

cunha lembranza nidia

de árbores, seitura e sementes.

Non somos case nada

Nin case somos ríos.

¡A nosa almiña de pequenos ríos

fai o poder caudal do Grande Río!

Manuel María

Ainda sobre o Rio Miño, o mesmo poeta versa sobre as mudanças na paisagem causadas pela modernidade e a urbanização, e sobre os efeitos negativos, principalmente contaminação, para o Grande Rio.

DESACORDO CONTRA OS CONTAMINADORES DO MIÑO

Asasinos da vida, da beleza, dos dons

marabillosos para uso e gozo do home

e de todo canto vive neste mundo.

Emporcadores da pureza da auga.

Vérdugos de peixes. Violadores.

Vós, xentiñas cegas como toupas,

fixestes do Miño unha cloaca,

unha cheirenta latrina xigantesca,

un pozo de zurro e de detritos.

Requírovos no nome do amor máis puro:

¡respectade ao Miño, linfa inocente, casta,

divindade anterga e indefensa,

arteria caudal da nosa patria,

Grande Pai Fluvial do Reino noso,

Pastor de Ríos que dixeron os poetas!

Manuel María

Com apenas o exemplo do Miño já é perceptível que a temática dos rios é abordada sob diversos aspectos. No poema seguinte, a relação das pessoas com o rio é abordada:

O BAÑO

Bañabámonos nel

pero sempre lle tivemos medo

que había limo no fondo

e os pés esvaraban en coios

e negrura,

e tíña pozas logo do cachón

e entre as pontes

remuíños nos que aniñaba un misterio.

Diciamos canción

pero era calafrío

e regresabamos, no carrito vermello,

cheirando a lama fresca, a carpaza e a sábrego.

Tiñamos medo

de mirármonos nenos

nos seus ollos de vello,

no silenciado sangue

das pucharcas,

evitábamos o seu abrazo de verán e de argazo,

de pozo

de remuíño escuro.

Francisco X. Fernández Naval

E ainda o crescimento e os caminhos da vida, e a relação dos rios com a infância das pessoas pode ser colocada em versos pelo poeta, tanto com o Louzara como com o Rio de Outeiro:

ROMANCE ÍNTIMO AO RÍO LOUZARA

Dezanove anos de vida

e índa zoa nos meus ouvídos

a túa cantiga soneira,

que arrolou de meniño,

aquil cantar doce, soave,

garimoso e solermiño;

aquil cantar infantil

inda hoxe sigue vivindo.

Pro a infancia… a miña infancia:

¿Onde ma levaches río?

Dezanove anos de vida

e inda vexo o meu sorriso

reflexando nos espellos

dos teus remansos de vidro;

nas túas ondas transparentes

coma luces do vacío.

¡Os espellos seguen aí,

perennes e cristaíños!

Pro a ledicia… a ledicia:

¿Onde ma levaches río?

Fiz Vergara Vilariño

RÍO DE OUTEIRO

Río da infancia, ausente melodía

no corazón dun canto matutino.

Rio de Outeiro, espello cristalino,

dos meus días, corrente fuxidía.

Río do tempo, o sol de mediodía

xa devala en poñente vespertino.

Río da vida, río de destino,

peregrino de ignota lonxanía.

Lonxe de min, atópome contigo

Vexo un neno que escoita, paseniño,

os murmurios do tempo pasaxeiro.

Lonxe de ti, encóntrome comigo,

debruzado na Ponte do Muíño,

mirándonos pasar, Río de Outeiro

Edelmiro Vázquez Naval

Há também os poemas de exaltação da beleza dos rios e suas paisagens, e a natureza ao seu redor. Nos exemplos a seguir há trechos de exaltação do rio Soldón, de arco-íris, de rios de uma maneira geral:

RIO SOLDÓN

Río Soldón, de escumas puras

na cascada, entre rochas bermellas

fita azul

ao pé da Serra Rocaboa!

Deus, un día

Abriu gorxas de luz

nesta montaña galega

e ficou saudoso

a soñar.

Brinca na rocha o regato

puro. Azas de cor viva

salpican o ceo.

Suspiros do regato en flor,

¿de quen serán?

A auga lambe a carriza

coma bico na pel soñada

¿Qué amará?

Vieiros de tomelo o levan

lonxe, agachado nas xestas,

coma un neno.

Regueiro de augas frías

entre penedos: no prado

¿que soñará?

Linguas de fogo alumean

o frescor da ponla delicada.

Cantiga do regato humilde

e solo, nas uces da montaña,

¿pra onde irá?

Eduardo Moreiras

O ARCO DA VELLA

Dende o piñeiredo de Vilanoviña

o arco da vella ergueuse a beber,

tanta sede tiña

que fixo surrindo un vó de anduriña

e foi dun esguello nun río a caer.

Ó sentir da auga a caricia leda

espallouse en néboa pola tarde mol

i enchéndose dela colgou na robleda

seu pano de cores tinguido de sol.

O pasmo das xentes deulle preitesía:

xa o frescor da auga non lle apetecía

e como as gabanzas lle sentaban mal

voltou pouco a pouco, con gran señoría,

rubindo do río cara o piñeiral

Xerardo Álvarez Limeses

COMA UN RÍO

Coma un río quixera eu ser: cantar

con estrelas no lombo cara ó mar,

deixando unha chorima en cada pedra,

e unha bágoa de Deus en cada herba

Xosé María Díaz Castro

O tema dos rios, entretanto, não se encontra apenas na tradição dos poemas. Há diversos mitos e lendas que dizem respeito e se relacionam com os rios também. Aqui, dentre muitos, alguns serão destacados e expostos para, como é o objetivo deste presente trabalho, evidenciar a relação do povo galego com seu território amplamente entrecortado por rios.

O primeiro mito a que se faz referência aqui, é o do “Nascimento dos rios Miño e Sil“. Segundo a lenda, o deus Júpiter, desejoso de fazer uma viagem seguia com os olhos os movimentos e contornos da Terra a fim de escolher um lugar para passar uma temporada, visto que a vida no Olimpo era repetititva e enfadonha. Como a viagem não seria imediatamente, o deus fez uma marca na terra, no local escolhido de modo a não esquecer-se. Esta marca acabou por ser o Rio Miño. A esposa de Júpiter, Juno, com ciúmes por não saber de tal viagem e suspeitando que poderia se tratar de uma aventura amorosa, faz, ela própria, uma brecha mais profunda que a de seu marido, dando origem ao Rio Sil. Discordando de tal comportamento, Júpiter pune Juno, obrigando-a a viver no fundo cânion de sua brecha. Porém, algum tempo depois, o deus volta atrás na punição e a retira, e como símbolo de seu amor, permite que o Rio Sil e o Rio Miño se juntem.

Outro conto é o da “Luzinha de Portamós“. Conta-se que há muitos anos, nas noites mais escuras do ano, andava pelo rio Portamós uma luzinha que deixava os moradores do vale de Mos muito curiosos. Certos dias, no início da noite era possível ver uma luz que subia o rio à contra corrente. O tal brilho aparecia pelos campos de Portamós, ia em direção ao Moinho do Escribán, depois pela represa do moinho, os campos do Chope, a Comporta, o Canaval, a ponte das Casiñas, subindo até As Pontellas. A teoria mais convincente que se deu para a luzinha que ia subindo rio acima era a de que havia muitos anos em Mos existiu um clérigo que costumava fazer missas aos defuntos daqueles que assim lhe solicitavam. Como costume, esse homem fazia uma marca em sua vara de vime para cada defunto que rezava. E quando sua vara já estava repleta de marcas o homem a afundou no rio dizendo: “Não quisera levar eu a carga que ti levas”. Desse modo, acredita-se que a luzinha seriam as almas em pena, sem remissão, vagando.

Outra lenda, essa relacionada ao Rio Limia, em seu caminho pela comarca de Xinzo, onde é conhecido como “Rio do Esquecimento“. Essa lenda remonta à presença romana na região. Os moradores pré-romanos diziam que aquele que cruzava o rio esquecia-se de tudo. Quando as legiões romanas chegaram a tal comarca durante a invasão a Península Ibérica, correu esta lenda entre as tropas. Segundo é contado, as tropas se negaram a cruzar o rio, e assim foi até que um centurião armou-se de coragem para fazê-lo e mostrar às tropas que era seguro. Hoje em dia, existe em Xinzo, no verão, a chamada Festa do Esquecimento, para celebrar justamente este fato.

Outra lenda é a das “Aureanas Feiticeiras“. Aureana é a mulher que se dedicava a recolher as areias auríferas que arrastavam as correntes dos rios Sil e Minho. A lenda conta que em algum ponto do rio Sil, as Aureanas Feiticeiras viviam a atrair os jovens e seduzi-los com o doce som, e depois afogá-los no fundo do rio para sempre. A maneira de evitar o encantamento seria atravessar o rio com uma pedra na boca, pois assim os jovens não poderiam falar, ficando em silêncio e evitando que o encantamento se produzisse, passando a outra margem. No rio Miño, na área de Arbo e Melgaço, há outras feiticeiras, que vivem nos poços do Miño e tentam atrair os jovens que atravessam os rios e os pescadores.

Mais uma lenda que se conta é “Três fontes e três rios“. Conta a lenda que nasceram três fontes juntas, como irmãs, e o mar prometeu dar uma pessoa a cada ano à primeira fonte que chegasse até ele. As três irmãs se puseram a caminho, porém em um momento cansaram e decidiram por descansar, acordando que aquela que acordasse primeiro deveria chamar às outras duas para prosseguirem o caminho. A primeira despertou e, sem avisar às outras, saiu em seu caminho, silenciosamente para não fazer barulho. A segunda a acordar, ao perceber a traição da primeira, também se colocou no caminho, com cuidado para que a terceira não despertasse. Esta, a terceira, ao despertar viu o que lhe tinha sido feito, e se atirou no caminho, saltando sebes e cercas, zunindo revoltosa, e acabou por chegar à frente das outras, sendo a primeira a chegar ao mar. Essa fonte deu origem ao rio Eume, e este recebe de presente todo ano uma pessoa que o mar lhe dá. A principal diferença entre as versões que a bibliografia apresenta é que os rios podem ser tanto Ouro, Landro e Eume, ou Masma, Landro e Eume ou até mesmo Eume, Sor e Landro, também chamado Landrove, mas todos com a nascente nos sopés da Serra do Xistral.

A última lenda a ser tratada aqui é a da “Ponte Pedriña” na barragem das Cunchas, a velha ponte romana que havia no concelho de Bande, em Ourense. Um jovem de Santa Cruz cortejava uma garota do outro lado do rio, mas para ir até ela precisava cruzar pelas pedras na corrente do rio, porém uma enchente o impedia de cumprir tal tarefa. O jovem então xingava e amaldiçoava, e de maneira tão forte que o próprio Diabo se apresentou propondo um trato: o Diabo se propunha a trabalhar a noite inteira para construir uma ponte e o jovem, em troca, o entregaria sua alma quando morresse. O jovem aceitou, o Diabo seguiu ao trabalho, porém ao amanhecer faltava apenas uma pedra, não tendo sido capaz de cumprir a obra. O Diabo então, muito contrariado, amaldiçoou a ponto dizendo: “Por culpa dunha pedriña nunca me fuches pagada! Vivirás sempre maldita e morrerás afogada!”. Tal fato deu nome à ponte, que mesmo sem a pedrinha que lhe faltava foi útil desde os tempos romanos. Atualmente tal ponte se encontra submersa pelas águas de uma barragem.

E essas barragens levam a uma crítica a situação atual. Os rios galegos sofrem com uma prática de barragens e aproveitamento hidrelétrico em nome da modernidade. É sabido que tal prática promove grandes alagamentos em áreas bastante extensas, condena diversas espécies da fauna em torno que sofre com esses alagamentos, além de diminuir o curso dos rios por causa das barragens. Essas mudanças alteram e muito o ecossistema do entorno dos rios, provocando mudanças em todo o território galego. Esses problemas, aliados com a devastação e poluição causadas pelo homem, alteram a natureza e a agridem de maneira por vezes irreversível. O poema a seguir, de Manuel María (falecido em 2004), que conclui este trabalho, condena as práticas mais atuais contra a natureza:

ESCARÑO CONTRA OS DESTRAGADORES DO MUNDO.

Contaminadores do aire puro e da auga

humilde,

casta,

e cristalina.

Incendiarios da sagrada fraga

misteriosa, cantora e ancestral.

Asasinos de paxaros.

Verdugos

de todo canto ama, vive e canta.

Violadores e destructores

da máxica paisaxe rumorosa.

ENEMIGOS DA VIDA E DA BELEZA

Consentidores de tanto xenocidio:

cando reventa o pus do voso odio

sementades de morte a creación.

Malditos para sempre endexamais

por tódalas xeracións que son e serán:

¡vós sodes

a miseria e a vileza deste mundo!

Manuel María

REFERÊNCIAS: (para outros mitos, lendas e poemas, cheque os sites na referência)

“O río do esquecemento. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=20&id=299>

“04 (2008).-SOLLA, C.: Mitoloxía do río dos Gafos (Pontevedra). Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=4&id=1409>

“A moura do río dos Gafos. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=4&id=1586>

“A lenda dos tres ríos. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=4&id=1177>

“Tres fontes e tres ríos. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=4&id=188>

“A luciña do río Portamós. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=1&id=621>

“As misteriosas voces do río Miño. Mitos, lendas e contos galegos”

Disponível em <http://www.galiciaencantada.com/lenda.asp?cat=1&id=2320>

“Os ríos son poesía. A vida nos ríos galegos.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/poesia.htm>

“Clima e hidrografía de Galicia”

Disponível em <http://www.voyagesphotosmanu.com/clima_galicia.html>

“Fotos de Hidrografía de Galicia”

Disponível em <http://www.eltiempo.es/fotos/en-provincia-pontevedra/hidrografia-de-galicia.html>

“Galicia: Mapas gratuitos, mapas mudos gratuitos, mapas en blanco gratuitos, plantillas de mapas gratuitos”

Disponível em <http://d-maps.com/pays.php?num_pay=562&lang=es>

“Sempre Galiza! – Rosalia de Castro: Adeus, rios; adeus, fontes; – Estrolabio”

Disponível em <http://estrolabio.blogs.sapo.pt/467704.html>

“Os ríos son lendas.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/lendas.htm>

“As feiticeiras do río Sil. As lendas dos ríos galegos.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/sex2.htm>

“A lenda do nacemento dos ríos Sil e Miño”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/sex7777.htm>

“Chao Rego: A lenda dos tres ríos.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/lendas.htm#Chao_Rego:_A_lenda_dos_tres_ríos.>

“A lenda da Virxen e o neno en Portomarín.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/lendas.htm#A_lenda_da_Virxen_e_o_neno_en_Portomarín.>

“A lenda da Ponte Pedriña no encoro das Cunchas. A flor da auga. Lendas de Galicia.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/sex33.htm>

“Malditos para sempre os incendiarios, os contaminadores e os que estragan a natureza de Galicia e do mundo. Eles son a miseria e a vileza do mundo. Malditos.”

Disponível em <http://www.rios-galegos.com/malditos.htm>

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s