O Folclore nas Culturas Brasileira e Galega – há algo em comum?

Luiz Claudio Santa Maria

Aluno de Língua Galega e Introdução à Cultura Galega na UERJ

Define-se folclore como o conjunto das criações de uma comunidade cultural, baseadas nas tradições de um grupo ou de indivíduos, que expressam sua identidade, além dos costumes e valores que são transmitidos oralmente, passando de geração em geração.

No Brasil, há diversas manifestações folclóricas relacionadas a mitos e lendas, que, muitas vezes, nascem da pura imaginação das pessoas, principalmente dos moradores das regiões do interior do Brasil. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens importantes ou apenas para assustar as pessoas. Estes tipos de manifestação cultural podem ser divididos em lendas e mitos. Muitos deles deram origem às festas populares, que ocorrem pelos quatro cantos do país.

As lendas são histórias contadas por pessoas e transmitidas oralmente através dos tempos. Misturam fatos reais e históricos com acontecimentos que são frutos da fantasia. As lendas procuraram dar explicação a acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais.

Os mitos são narrativas que possuem um forte componente simbólico. Como os povos da antiguidade não conseguiam explicar os fenômenos da natureza, através de explicações científicas, criavam mitos com este objetivo: dar sentido às coisas do mundo. Os mitos também serviam como uma forma de passar conhecimentos e alertar as pessoas sobre perigos ou defeitos e qualidades do ser humano. Deuses, heróis e personagens sobrenaturais se misturam com fatos da realidade para dar sentido à vida e ao mundo.

Por mais distantes que possa parecer geograficamente, a Galícia e o Brasil guardam semelhanças impressionantes nas suas manifestações folclóricas. Podemos justificar/explicar essas semelhanças por dois aspectos: a) proximidades geográfica e cultural entre Galegos e Portugueses, que trouxeram com eles aspectos culturais afins para o Brasil; b) os povos (brasileiro e galego) são de origem essencialmente cristã e isso é verificado nas semelhanças entre as manifestações folclóricas de origens religiosas.

A seguir, serão apresentados alguns aspectos relacionados às manifestações folclóricas que apresentam pontos de interseção entre as duas culturas, a galega e a brasileira.

Folia de Reis

No Brasil, principalmente em cidades do interior do nordeste e de Minas Gerais, a partir do Natal, durante 12 dias, até o dia 6 de janeiro, o Alferes da Folia (chefe dos foliões) bate à porta das casas, bem cedo, seguido dos palhaços do Reisado e de seus instrumentos barulhentos. Vai despertar quem está dormindo, pedir permissão para entrar, tomar café e recolher dinheiro para a Folia de Reis. É uma festa popular de origem portuguesa que ainda sobrevive em pequenas cidades brasileiras. Nessa festa, oferece-se uma bandeira colorida, enfeitada com fitas e santinhos, enquanto, do lado de fora, os palhaços vão dançar ao som do violão, do pandeiro, do cavaquinho, recitando versos. Esta festa comemora o nascimento de Cristo, lembrando a viagem que os três reis magos – Baltazar, Belchior e Gaspar – fizeram a Belém para encontrar o Menino Jesus.   Os palhaços, vestidos a caráter e cobertos por máscaras, representam os soldados do rei Herodes, em Jerusalém. Os foliões abrem alas com uma bandeira, que – dizem! – é abençoada e protege das más influências. Depois de 12 dias de jornada, o dinheiro arrecadado é gasto em comidas e bebidas para todos.

As festas do Nadal en Galicia comparten rituais coa mesma festividade de Nadal noutros lugares, aínda que se poden destacar algunhas peculiaridades. Comprenden diferentes celebracións entre os días 24 de decembro e o 6 de xaneiro e teñen como eixo a conmemoración do nacemento de Xesús, malia que os etnógrafos concordan en que as verdadeiras raíces son moi anteriores e están relacionadas co solsticio de inverno sobre as que houbo unha superposición relixiosa. A tradicional cabalgata de Reis celébrase o 5 de xaneiro, cun desfile de impactantes carrozas e co seu séquito que percorren as rúas da cidade ata chegar ao Pazo de Raxoi, na praza do Obradoiro, onde os Magos de Oriente reciben os máis pequenos.

Outro exemplo de semelhança em atividades religiosas é verificado no costume de fazer tapetes coloridos de sal e material vegetal (folhas, flores, serragem etc.) nas festas religiosas como Corpus Christis.

corpus
Alfombras florais na festa de Corpus en Ponteareas, Galicia
Corpus Christis em Minas Gerais
Corpus Christis em Minas Gerais

Há claras semelhanças em danças folclóricas, como se pode verificar nas duas figuras abaixo.

 Pau de fitas na Galícia
Pau de fitas na Galícia
Pau de fita em Itajaí, Santa Catarina
Pau de fita em Itajaí, Santa Catarina

De origem Ibérica, a Dança do Pau de Fitas é uma dança de roda, que envolve um mastro enfeitado, de aproximadamente 3 metros, e longas fitas multicoloridas, que são presas em seu topo, respeitando o número de pessoas que participarão. O Pau de Fitas consiste numa brincadeira sem necessidade de grandes recursos, sendo assim, sobrevive apenas da boa vontade de seus participantes e de sua comunidade. O importante do Pau de Fitas é que ele seja feito sempre em número par, para que o trançado das fitas dê certo. Durante a dança, os participantes vão se movimentando em ziguezague, trançando as fitas no mastro até que fique impossível prosseguir. Após o trançado, é feito o movimento contrário, destrançando as fitas. Todos esses movimentos são seguidos de acordo com o ritmo de instrumentos musicais, como sanfona, violão e pandeiro. De acordo com a coreografia, é possível realizar vários tipos diferentes de trançado, formando diferentes tipos de desenhos. Em Santa Catarina existem os trançados “Tramadinho”, “Trenzinho”, “Zigue-Zague”, “Zigue-Zague a dois”, “Feiticeira” e a “Rede de Pescador”. A vestimenta dos participantes é bastante simples: de caráter junino, as mulheres usam vestidos com estampas floridas e alegres, sandálias de sola e flores no cabelo. Já os rapazes usam camisa quadriculada ou xadrez, calça, chapéu na cabeça e sandália de sola.

O Maracatu

Esse ritmo é visto no Carnaval. Nele, reis, rainhas, princesas, índios emplumados e baianas cruzam as ruas do Recife (Pernambuco), dançando, pulando, passando de mão em mão as bonecas de pano vestidas (conhecidas como calungas), em geral, de branco e cobertas com um manto azul.

O maracatu é um ritmo frenético que teve origem nas Congadas, cerimônias de escolha e coroação do rei e da rainha da “nação” negra.

Atrás da folia vai a procissão. Manifestações semelhantes são vistas em Goiás (Aruendas), no Rio de Janeiro (Afoxés), e em Pernambuco, os Maracatus. A coroação dos reis do Congo já era realizada na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos do Recife, em 1674. Contudo, cada paróquia ou comarca tinha sua própria “corte”, e a elas cabia escolher seu rei. A coroação e posse do rei dos negros aconteciam em Pernambuco, em março. Nessa mesma época, o Rio de Janeiro dividia-se em diferentes “nações” de negros para comemorar o fato. Dançavam e entoavam cantos africanos ao som de instrumentos primitivos. No início do século XX, as calungas, representando ancestrais africanos, passaram a marcar mais presença na procissão. Alguns instrumentos novos também foram incluídos: o clarinete, o pistom e o trombone. Aos primeiros acordes do maracatu, a rainha ergue a calunga para abençoar a “nação”.

A bandeirista encarrega-se do estandarte e a banda, de acertar o ritmo das músicas (chamadas de loas) entoadas pelo mestre que comanda o maracatu com seu apito. Atrás vêm os personagens, equilibrando sobre a cabeça chapéus imensos, com mais de 1 metro de altura.  Suas evoluções são feitas em círculos. O rei, a rainha, as baianas, os caboclos-de-lança e os caboclos-de-pena seguem a procissão, recitando versos que evocam histórias regionais. Até que a Quarta-feira de Cinzas apague tudo!

Embora essa manifestação folclórica tenha grande influência da cultura negra africana aqui no Brasil, há na Galícia diversas atividades que se assemelham pelas vestimentas e atividades.

Cigarrón no val de Verín: A máscara máis característica e arcaica da Comarca de Monterrei é a do Cigarrón no val de Verín. Consta esta máscara dunha carauta de pau traballada en madeira e pintada de xeito que nela resalten as cellas, as sonrosadas meixelas, amplo bigote, cínico sorriso mostrando a dentadura e barba falsa.

Entroido de Verín ou carnaval é unha festa de carácter tradicional que se celebra entre os meses de febreiro e marzo, coincidindo co período inmediatamente anterior á Coresma e que se celebra principalmente en rexións de tradición católica e con menos extensión en zonas ortodoxas e moi modificado nalgunhas áreas protestantes, como é o caso do Fastelavn nalgúns dos países nórdicos. O entroido celébrase tamén en Galiza con características particulares, con disfraces e esmorgas moi diferenciadas entre diversas poboacións: son coñecidos os entroidos de Xinzo de LimiaLazaVerínVila de CrucesA EstradaVilaboa e outros moitos, algúns dos cales están cualificados de festas de interés turístico nacional polo Ministerio de Industria, Turismo e Comercio.

É possível perceber as semelhanças nas roupas e nas atividades como ilustrado nas imagens a seguir.

Entroido de Verín
Entroido de Verín
Entroido en Galícia
Entroido en Galícia
Maracatu - Pernambuco
Maracatu – Pernambuco

ss1

Há semelhanças também no uso de bonecos imensos, como se pode observar nas figuras abaixo.

Galícia: Encontro de Xigantes e Cabezudos, em Ourence
Galícia: Encontro de Xigantes e Cabezudos, em Ourence

Em Olinda, Pernambuco, durante os desfiles de carnaval, são vistos os grandes bonecos, que representam desde personagens famosas a pessoas do povo.

cccc

No carnaval, os Bate-bolas, ou Clóvis, são vistos como manifestação popular nos subúrbios do Rio de Janeiro, que muito se assemelham aos Pantallas da Galícia.

Típico Clóvis (Bate-Bola) nas ruas do subúrbio do Rio de Janeiro (Realengo, Madureira, Bento Ribeiro etc.) – esses personagens não falam, fazem barulho com apitos, batem bolas (de bexiga de porco ou de plástico) no chão para assustar as crianças.
Típico Clóvis (Bate-Bola) nas ruas do subúrbio do Rio de Janeiro (Realengo, Madureira, Bento Ribeiro etc.) – esses personagens não falam, fazem barulho com apitos, batem bolas (de bexiga de porco ou de plástico) no chão para assustar as crianças.
Pantallas da Limia
Pantallas da Limia

Nesses vídeos abaixo, vê-se claramente que há uma semelhança muito grande na manifestação folclórica galega dos Pantallas e os Bate-bolas do Rio de Janeiro. No primeiro vídeo, há inclusive uma voz de comando para que os Pantallas assustarem as crianças, mas essa voz é de um homem que não está fantasiado, pois assim como aqui esses personagens não falam.

Galícia, Limia:

http://www.youtube.com/watch?v=k03gmGhVISw

http://www.youtube.com/watch?v=StnRTVWPQwo

Rio de Janeiro, subúrbio, Brasil

http://www.youtube.com/watch?v=imRg82MJpfI

http://www.youtube.com/watch?v=6yvpyhR0DsE

A Festa do Divino

Contando-se sete semanas depois do Domingo de Páscoa: é o dia de Pentecostes, data em que a Igreja Católica comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos. A Festa do Divino é uma tradição trazida pelos jesuítas do Reino de Portugal, onde D. Isabel, esposa do Rei D. Diniz, mandou construir, no século XIV, uma igreja em Alenquerem louvor ao Espírito Santo.

Os festejos começam no final de maio com novenas, quermesses e muita música. Danças folclóricas como: as Catiras (dança com cantos, sapateado e palmas), congadas e moçambiques (dança de origem africana), se sucedem, enquanto uma comitiva vai de casa em casa pedir donativos. Durante a festa, a bandeira do Divino é hasteada.

No dia de Pentecostes, ganham vida os personagens que simbolizam o imperador, sua esposa e os membros da Corte. Há também aqueles que representam os dons e os frutos do Espírito Santo, os apóstolos e a Virgem Maria. As crianças formam a Roda dos Anjos e levam o estandarte do Divino. Atrás vão os bonecos gigantes: João Paulino, sua mulher Maria Angu e a velha faladeira Miota. No encerramento, 24 homens a cavalo opõem os mouros e os cristãos. Depois, é sentar-se à mesa, pois será servido um cozido de carne com arroz e farinha de mandioca. O vídeo mostra um momento dessa manifestação cultural.

http://www.youtube.com/watch?v=8S_FuyCei8U

Repentes

Repente (conhecido também como desafio) é uma tradição folclórica brasileira cuja origem remonta aos trovadores medievais. Especialmente forte no nordeste brasileiro, é uma mescla entre poesia e música na qual predomina o improviso – a criação de versos “de repente”. O repente possui diversos modelos de métrica e rima, e seu canto costuma ser acompanhado de instrumentos musicais. Quando o instrumento usado é o pandeiro, o repente é chamado de coco de embolada; acompanhado de viola caipira ou de rabeca, denomina-se Cantoria; cantado sem acompanhamento musical, nomeia-se entoada, toada ou aboio.

Embora os repentes sejam mais presentes na cultura nordestina, há manifestações deste tipo também no sul do Brasil. O repentismo no sul do Brasil se caracteriza, além do improviso, pelo uso de dois instrumentos musicais: o violão e a acordeon, sendo que, no final, os trovadores sempre fazem as “pazes”. Nos anos 60 – 80, essa variação folclórica foi muito popular na região sul do Brasil, chamada de Trova, muito difundida por Teixeirinha & Mary Terezinha, juntos eles trovaram inúmeras vezes, alegrando não só os gaúchos, mas todo o povo brasileiro. Contudo a maior referência para os trovadores da atualidade no Rio Grande do Sul é Gildo de Freitas. Além da Trova, também existe no Rio Grande do Sul a Pajada, cujo maior representante é Jayme Caetano Braun, seguido por Paulo de Freitas Mendonça e outros. A Pajada é poesia oral improvisada em Décima Espinela (abbaaccddc) no etilo recitado e acompanhada de violão. A trova é uma construção poética improvisada em sextilha. Suas rimas são abcbdb e seus versos são cantados ao acompanhamento de acordeon.

Na Galícia, existem as “regueifas”, que se assemelham aos repentes. 

A tradición oral galega, As regueifas son outra das tradicións musicais de Vigo, unha herdanza secular galega. Nelas ponse a proba a famosísima retranca galega, xa que unha regueifa non é máis que un diálogo cantado, sempre improvisado, no que o ‘pique’, a ironía e sobre todo o bo humor son os reis da rima. As regueifas son desafíos en verso onde dúas ou máis persoas disputan utilizando a retranca, o humor e moito enxeño e creatividade, procurando manter sempre unha cadencia rítmica nas frases e rimas finais. Trátase dunha das mostras máis singulares da tradición oral galega, moi parecidas ao que é hoxe o hip-hop, polo que os regueifeiros serían os rapeiros da actualidade, que improvisan cunha grande facilidade e rapidez.

Bibliografia e sites consultados

Cultura popular e educação, Organização René Marc da Costa Silva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação a Distância, 2008.

http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/folclore.htm

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/01/05/interna_gerais,341265/minas-mantem-tradicao-das-folias-de-reis.shtml

http://tvuol.uol.com.br/video/tapetes-coloridos-embelezam-comemoracao-de-corpus-christi-0402CD183368DCA14326

http://www.guiafloripa.com.br/cultura/folclore/danca-do-pau-de-fitas

http://maracatu.org.br/o-maracatu/historia/

http://personxxi.com/index.php/gente-y-cultura/344-certame-de-regueifas.html

http://www.turismodevigo.org/gl/regueifas

Anúncios

5 comentários em “O Folclore nas Culturas Brasileira e Galega – há algo em comum?”

    1. Só gostaria de fazer uma correção: nas festas do Divino Espírito Santo são usadas violas (de 10 cordas) e não violões. Gostaria também que assistisse este vídeo:

      Abraços galaico-luso-brasileiros!

  1. Só gostaria de fazer uma correção: nas festas do Divino Espírito Santo são usadas violas (de 10 cordas) e não violões. Gostaria também que assistisse este vídeo:

    Abraços galaico-luso-brasileiros!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s